Advisibrasil

segunda-feira, 18 de julho de 2016

OAB Nacional e Colégio de Presidentes emitem nota sobre atentado sofrido por advogado de Goiás

“Ninguém nasce mulher, torna-se mulher”. A famosa frase da escritora e filósofa Simone de Beauvoir, que encontra-se no segundo volume de seu livro “O Segundo Sexo – A Experiência Vivida” foi a inspiração para a criação dessa postagem.  

Decidi montar uma lista cinematográfica que fala sobre “o segundo sexo” ou como a condição feminina é retratada como “o outro sexo” ao redor do mundo. E nada melhor do que o cinema como instrumento para a representação das vivências de mulheres através de países, culturas e etnias diferentes.


Todas as mulheres ao redor do mundo (mesmo nos países conhecidos como “os mais igualitários do mundo”) enfrentam em algum momento de suas vidas situações machistas, sexistas e preconceituosas pelo simples fato de ser uma mulher (cis ou trans). Outras abordam além desses problemas citados, o racismo, como o caso das mulheres negras. Seja no ambiente de trabalho, seja na escola, seja na favela. Nascer mulher ou “tornar-se mulher” ainda é considerado um ato revolucionário na sociedade atual.

Para você que pretende conhecer mais filmes que reflitam sobre a questão de gênero ao redor do mundo, essa lista é feita para você! Confira. 


Fonte: Brasília - Em mais um caso de violência contra a advocacia, a OAB Nacional e o Colégio de Presidentes Seccionais emitiram nota neste sábado (16), externando sua indignação, exigindo das forças de segurança rigor na apuração e manifestando solidariedade ao profissional atingido. Confira:

Estarrecimento. Esse é o sentimento que nos permeia a todos, diante da onda de violência e brutalidade que se abate sobre a advocacia.

De um lado, as ameaças que vêm daqueles que não aceitam o papel da advocacia na defesa das liberdades públicas e das garantias constitucionais a todos asseguradas.

Doutro lado, a violência pura e brutal, materializada nos atentados contra a integridade física dos advogados e advogadas brasileiras, do qual o ataque a bomba contra o advogado goiano Walmir de Oliveira da Cunha, é o mais recente episódio.

Contra isso, contra esse estado de violência física e institucional contra os advogados e a advocacia, nos levantamos, o Conselho Federal e o Colégio de Presidentes de Seccionais.

Se durante a ditadura uma outra bomba, aquele dirigida ao nosso então Presidente do Conselho Federal e que vitimou D. Lyda Monteiro, não nos intimidou, também agora não nos deixaremos submeter, seja à violência física, seja em face da violência constitucional, aquela que parte dos que não compreendem o fundamental papel da advocacia na defesa das liberdades, e tenta promover a criminalização indevida e ilegal de nossa profissão.

Nos solidarizando com a advocacia goiana, exigindo das autoridades incumbidas da segurança pública a apuração de todos os atos de violência física contra os advogados, o Conselho Federal e o Colégio de Presidentes da OAB reafirmam seu compromisso com a defesa da advocacia e da liberdade, repelindo toda e qualquer afronta ao advogados e advogadas brasileiras.

Diretoria da OAB Nacional

Colégio de Presidentes de Seccionais da OAB

Nenhum comentário:

Postar um comentário