Advisibrasil

sexta-feira, 24 de junho de 2016

Os 5 erros mais comuns dos advogados em sustentações orais

Seguindo a ideia da coluna da semana anterior, que apontou os cinco erros mais comuns dos advogados em audiência criminal (leia aqui), nesta semana farei uma abordagem sobre os cinco erros mais comuns dos advogados em sustentações orais:
1º ERRO COMUM: Não se preparar previamente. Por incrível que pareça, este é o erro mais comum que observei dos colegas que foram à Tribuna ao longo da carreira. A preparação requer poder de síntese, saber trabalhar o tempo exíguo de alguns minutos, onde se deve saber exatamente o que dizer e como falar. Há que se ter um cuidado muito grande em saber relatar sobre os fatos, mas também sobre as teses jurídicas. Embora se entenda que o nervosismo sempre se faz presente nas sustentações orais em matéria criminal, afinal a liberdade é o bem maior em questão, quer seja para quem já está preso, ou para quem poderá vir a ser preso no futuro caso o resultado for desfavorável, ainda assim, o advogado bem preparado tem condições de controlar os fatores emocionais de um julgamento por ter domínio dos autos e das teses a serem abordadas, sabendo dos pontos e contrapontos de cada ponto a ser levantado pela tribuna.
2º ERRO COMUM: Deixar de pesquisar decisões atuais sobre os temas jurídicos a serem levantados na tribuna. Como fica feio para um advogado quando ele está desatualizado diante das teses jurídicas apresentadas em sustentações orais. O advogado criminalista não pode ficar preso em vitórias do passado, ele tem que se atualizar constantemente. Neste mundo dinâmico e globalizado, há decisões em diversos sentidos espalhadas pelo Brasil, e é dever do advogado na sua preparação saber como estão ocorrendo as divergências e convergências das decisões sobre os temas da sua explanação, e principalmente saber e ter domínio como os Tribunais Superiores estão resolvendo questões similares.
3º ERRO COMUM: Não prender a atenção dos julgadores. Outro erro crucial que observei na carreira, é aquele em que o advogado não tem o domínio de uma boa oratória e não consegue envolver os julgadores com sua argumentação, e utiliza o tempo lendo (e nesse instante estará de cabeça baixa) não atraindo a atenção de ninguém, somente dele mesmo, ou falando sem a entonação ou a estrutura linguística necessária. Na verdade, este erro revela uma postura errada na tribuna. Em contrapartida, pense num advogado que por mais difícil que seja o caso a ser defendido da tribuna, fala o tempo todo numa entonação firme (isto não quer dizer alta ou berrando), mas cativando não só os julgadores como também ao público que está presente, que chama a atenção dos julgadores em pontos específicos, logicamente fica prazerosa a explanação, e independente do resultado, se assiste uma aula sobre como fazer uma boa sustentação oral.
4º ERRO COMUM: Fazer comentários sobre a posição da Câmara ou Turma julgadora. Como todos devem saber com o tempo os advogados sabem os posicionamentos e as dificuldades ou facilidades sobre os julgadores. Nesse contexto, muitas vezes sabemos que determinado recurso ou ação autônoma de impugnação terão um caminho mais tranquilo ou mais trabalhoso para o advogado. Ocorre que os advogados por vezes deixam escapar seus sentimentos em relação aos julgadores, e por vezes no meio de uma sustentação oral que até poderia estar indo bem, acabam fazendo um comentário sobre o posicionamento do colegiado, podem ter certeza, os julgadores vão esperar a hora certa, isto é, a explanação do voto deles para repreenderem aquele comentário, que pode determinar a derrota no julgamento para a defesa. Por isso relembro o primeiro erro comum mencionado anteriormente, a preparação exige saber exatamente o que vai ser dito e o que não vai ser falado na sustentação oral.
5º ERRO COMUM: Não ser educado e simpático ao entrar e sair da sessão de julgamento. É muito comum perceber a educação e simpatia do advogado na chegada de um julgamento para sustentar oralmente seu processo. Porém, por vezes, o advogado após o resultado não ser positivo, simplesmente diz um obrigado e vira as costas saindo da sessão de julgamento. Não, o advogado consciente do seu papel, sabe que em determinados dias, pode não vencer, mas independente disso, se ele estiver muito bem preparado para o julgamento e sabe que fez uma excelente sustentação oral, mesmo quando perde, ele vai e cumprimenta com seriedade e educação a todos, isto estará marcando a sua carreira, e os julgadores o distinguem por isso, inconscientemente nos julgamentos futuros.
Por derradeiro, a oratória, a técnica de argumentação, o raciocínio, o carisma e a simpatia em falar em público independem da vontade imediata do orador, mas são focos que os advogados devem aprimorar constantemente na carreira. É fundamental saber se encontrar no meio da profissão. O conhecimento técnico está ao alcance de todos, agora a forma de atuação em público é algo que os futuros profissionais devem buscar desde o primeiro dia de faculdade. Meu conselho para os estudantes e iniciantes é assistam aos julgamentos, é de graça, e se aprende a fazer e como fazer uma sustentação oral, e também se observam erros e acertos nestas sessões, podem ter certeza que isto fará a diferença na hora que você for à tribuna.

Nenhum comentário:

Postar um comentário