Advisibrasil

quarta-feira, 15 de março de 2017

CFOAB: Em sessão solene, OAB lança o Censo da Mulher Advogada

Fotos: Eugênio Novaes

Foi lançado na tarde desta segunda-feira (13) durante sessão solene realizada na sede do Conselho Federal da OAB em homenagem ao Dia Internacional da Mulher o Censo da Mulher Advogada. O censo pretende fazer um mapeamento completo da situação das mulheres advogadas em todo o país. A sessão solene foi promovida pela Comissão Nacional da Mulher Advogada e foi marcada pela palestra da ministra Delaíde Alves Miranda Arantes, do Tribunal Superior do Trabalho.

“Quero, com muita alegria, com muita honra, em nome do Conselho Federal da OAB, do Colégio de Presidentes da OAB, transmitir a cada uma de vocês mulheres brasileiras, advogadas guerreiras a nossa saudação pela passagem desta data, mas acima de tudo pelo que vocês todas representam para a sociedade brasileira. Estamos nessa sessão para homenagear as mulheres, mas também para reconhecer efetivamente no talento de cada uma de vocês a condição real para o crescimento do nosso país”, disse o presidente nacional da OAB, Claudio Lamachia, que participou da sessão.

Num gesto simbólico, Lamachia passou a presidência do Conselho Federal durante toda a sessão para a presidente da Comissão Nacional da Mulher Advogada, Eduarda Mourão, que conduziu os trabalhos. “Este censo foi idealizado quando a presidente Fernanda Marinela de Sousa Santos presidia a comissão nacional da mulher advogada, foi aprovada por toda a comissão e idealizado diante da necessidade de termos o perfil da mulher advogada brasileira. Para que a partir daí, todos os trabalhos possam ser direcionados de maneira mais técnica e melhor alcançando mais rapidamente a mulher advogada como ela merece e precisa”, disse Eduarda.

Fotos: Eugênio Novaes

Ela fez ainda uma convocação para que todas as seccionais da OAB colaborem na coleta de dados para o censo. “O Conselho Federal e a Comissão da Mulher Advogada convoca todas as comissões da mulher advogada de todos os estados para colaborarem conosco para chegarmos a um denominador comum e descobrirmos como vive a mulher advogada brasileira. Quem é ela, o que ela faz e em qual área atua, além de todas as demais perguntas”, declarou ela.

Em sua palestra, a ministra Delaíde fez uma análise conjuntural da situação política e econômica e como ela afeta as mulheres. “Estamos vivendo um dos momentos mais difíceis de nossas vidas. Não me lembro de ter vivenciado um momento tão difícil como agora em todos os sentidos. E os momentos difíceis atingem em cheio a mulheres. O desemprego é maior para a mulher, quando falamos de tráfico de pessoas, terceirização, trabalho análogo ao escravo ou crise. Em qualquer um desses temas eles atingem em maior medida e em maior número as mulheres”, afirmou ela.

A ministra lembrou ainda de diferentes problemas enfrentados pelas mulheres em diferentes áreas, entre elas, na questão do espaço corporativo e no funcionalismo público. Delaíde citou que nas funções de gestão do serviço público, apenas 18% dos cargos são ocupados por mulheres, embora 50% dos cargos públicos sejam preenchidos nos concursos públicos por elas. “Nosso protagonismo está sendo exigido. Precisamos realmente trabalhar por condições melhores, por vida mais digna, por empregabilidade. Todos sabemos a dificuldade pela qual passa a advocacia”, declarou ela.

A conselheiro federal gaúcha Clea Anna Maria Carpi da Rocha conclamou uma mauior participação das mulheres no sistema OAB. “Com o plano nacional de valorização da mulher, instituído pelo Conselho Federal, com aprovação dos presidentes das 27 seccionais, há a necessidade de implementação do empoderamento da mulher nos destinos da nossa entidade. E essa participação é uma participação ativa, institucional e política. No ano que vem teremos eleições nas 27 seccionais e também em inúmeras subseções. Há necessidade urgente de participação da mulher nos destinos de nossa entidade”, defendeu ela.

A presidente da seccional alagoana da OAB, Fernanda Marinela de Sousa Santos, fez um prognóstico do que espera que sejam as próximas comemorações do Dia Internacional da Mulher. “Espero que nos próximos dias 8 de março, nós mulheres possamos encontrar outros significados para as flores que comumente recebemos nesta data. Espero que os homens possam olhar para nós mulheres e dizer: ‘você mulher é exemplo de resistência, exemplo de coragem e caminho com você de mãos dadas na luta diária, nos desafios e na construção do mundo do bem viver’. E espero que nós mulheres possamos caminhar unidas e de cabeça erguida nos orgulhando de cada conquista, mas buscando cada vez mais a felicidade. Acima de tudo, é isso que importa”, afirmou a dirigente.

A ministra Delaíde Alves Miranda Arantes, a presidente da seccional de Alagoas da OAB, Fernanda Marinela de Sousa Santos, a presidente da Comissão Nacional da Mulher Advogada, Eduarda Mourão, a vice da comissão, Helena Edwirges Santos Delamonica, e a secretária do colegiado, Florany Maria dos Santos Mota, e a membra consultora do grupo, Alice Bianchini, além da presidente da Comissão Especial de Análise da Regulamentação do Novo Código de Processo Civil, Estefania Ferreira de Souza de Viveiros, a conselheira federal pelo Rio Grande do Sul, Clea Anna Maria Carpi da Rocha, detentora da Medalha Rui Barbosa, foram ainda homenageadas ao final da sessão.

Fonte: Assessoria de Comunicação do CFOAB

Nenhum comentário:

Postar um comentário