Advisibrasil

terça-feira, 20 de outubro de 2015

Dia do Piauí é comemorado no Plenário da OAB Nacional

 A cerimônia marcou o lançamento do livro “Petrônio Portella: 
Uma biografia”, de Zózimo Tavares
(Foto: Eugenio Novaes - CFOAB)
Brasília – A sessão plenária do Conselho Federal da OAB de outubro, realizada nesta terça-eira, teve um momento solene dedicado ao Dia do Piauí, data em que se comemora a independência do Estado. A cerimônia marcou o lançamento do livro “Petrônio Portella: Uma biografia”, obra do jornalista piauiense Zózimo Tavares sobre um dos maiores políticos do País, também nascido no Estado.

Além de Zózimo, a bancada dos conselheiros federais da Ordem participou da solenidade, que também reuniu os senadores Hugo Napoleão (PSD-PI) e Elmano Férrer (PTB-PI); os deputados federais Heráclito Fortes (PSB-PI) e Paes Landim (PTB-PI); o Membro Honorário Vitalício da OAB e ex-senador pelo Ceará, Ernando Uchôa Lima; e a filha de Petrônio Portella, Patrícia.

Para o presidente nacional da OAB, Marcus Vinicius Furtado Coêlho, a homenagem ao seu Estado natal é uma forma de reconhecimento. “Nosso Piauí, assim como todo o Nordeste brasileiro, é berço de grandes juristas do País. Lugar de gente talentosa, acolhedora, batalhadora. É uma honra carregar o nome do Estado que acolheu a mim e a minha família”, disse.

PETRÔNIO

Para também homenagear o Piauí, Ernando Uchôa Lima falou de sua convivência com Portella. “Na minha vida pública, conheci poucos homens da habilidade extraordinária de Petrônio. Presto aqui minha homenagem a este brasileiro a quem a democracia deve muito. Se não tivesse morrido prematuramente, teria sido sem dúvidas um presidente da República, para a honra e glória do Brasil”, apontou.

Para o senador Hugo Napoleão, o jornalista Zózimo Tavares produziu uma biografia de destaque sobre Petrônio. “Zózimo não usou a pena, não usou a tecla. Ele usou um pincel para escrever a história de Portella, tamanha sua maestria. Naquele 6 de janeiro [de 1980, data da morte de Portella] o Brasil parou. Até o céu chorou. No cemitério de Brasília, honras de ministro de Estado àquele que construiu a democracia brasileira, um tecelão das grandes causas”, elencou.

(DG)


Fonte: OAB - Conselho Federal

Nenhum comentário:

Postar um comentário