Advisibrasil

segunda-feira, 13 de outubro de 2014

Contra a corrupção: fim do investimento empresarial nas eleições


O presidente nacional da OAB, Marcus Vinicius Furtado Coêlho, reiterou nesta sexta-feira (10), a necessidade do rápido julgamento da Ação Direta de Inconstitucionalidade – a ADI 4.650, que acaba com o investimento empresarial em partidos e candidatos.

“Esperamos que esta tenha sido a última eleição em que o investimento privado tenha participado. Não se trata de demonizar o empresariado ou diminuir a atividade política, mas esse modelo cria uma relação nada saudável à democracia”, afirmou Marcus Vinicius.
O presidente comparou o cenário eleitoral brasileiro com outros modelos em vigência: “o Brasil gasta hoje, proporcionalmente, dez vezes mais do que a Inglaterra em campanhas eleitorais. É um dado único para dizer o quanto nós gastamos muito. E o fim do financiamento empresarial já existe em trinta e seis países do mundo, como França. E recentemente a Espanha está discutindo esse tema. Quer dizer, muitos países do mundo e na metade da América Latina já não é permitido o financiamento de campanha por empresas”.

Os limites de doações

Conforme o presidente da OAB, o modelo de financiamento defendido pela Ordem é o democrático, com a utilização do fundo partidário (já destinado aos partidos) e o realizado por pessoas físicas, com limite estabelecido pelo Tribunal Superior Eleitoral. “É preciso que seja estabelecido também um teto, fixado por lei, de gastos máximos de campanha. A cada eleição há um crescimento milionário e geométrico destes custos. Atualmente, apenas a candidatura presidencial do Brasil está em torno de um bilhão de reais”.

Caixa dois

Marcus Vinicius também destaca a necessidade de criminalização do caixa dois das campanhas. “Com o barateamento da campanha eleitoral, o caixa dois ficará visualizável a olho nu, detectável mais facilmente. Atualmente, com milhões de reais que são permitidos em campanhas, este dinheiro ilícito acaba sendo diluído com os milhões de recursos existentes. O projeto de lei de iniciativa popular, Eleições Limpas, prevê a criminalização da prática do caixa dois”, finalizou.

Oab Subseção de Santarém, Oab Subseção de Marabá, Oab Forte e Independente, Oab Subseção Xinguara, Oab Subseção DE Itaituba, Oab Subseção RondondoPará, Oab Ananindeua, Cláudia Chini, Maria Cristina Portinho Bueno Dep Nélio Aguiar, Dep Nélio Aguiar, Dep Hilton Aguiar I. Dep Dudimar Paxiuba Azevedo, Gracilene Amorim, Francisca Dias, Lúcia Brito, José Colares, Antonio Adil Colares Colares, Jorge Serique, Jorge Carlos, Jorge Hamad, Jorge Francisco, Jorge Borba, Edilson Santiago, Edilson Silva, Raimundo Edilson Portela, Edilson Martins Muniz, Joao Ribeiro, João Clóvis FilhoKatia TolentinoKatiana Lobato, Peter Hager, Capual Júnior, Carlos Kayath, Carlos Eduardo Teixeira, Carlos Meschede, Jean Carlos Leitão, Carlos Gama, Itanilza Fernandes Dos Santos, Fernando Rodolfo, Edmara Hoyos, Aline Neves Hoyos, Patryck Delduck Feitosa, Wagner Murilo Castro Colares, Rafael Marques Cohen, Ana Cláudia Waughan, Ana Clara Muller Hoff, Ana Nilce Sousa Nascimento, Edy Medeiros, Edy Portela, Alailson Muniz, Jeso Carneiro, José Ronaldo Dias Campos, Eder Coelho, José Olivar Azevedo, Ricardo Geller, Subseção Oab Tucumã PA, Oab Subseção De Santa Maria, Catarina Freitas, Sinpro PA, Eduardo Imbiriba, Alberto Antonio Campos, Jarbas Vasconcelos, Jarbas Cunha Dos Santos, Sandra Camargo, Edibal Cabral José Cabral, Celio Figueira da Silva, Celio Figueira DA Silva, Ítalo Melo de Farias — em Oab - Subseção De Santarém.


Nenhum comentário:

Postar um comentário