Advisibrasil

quinta-feira, 19 de fevereiro de 2015

OAB presente à abertura da Campanha da Fraternidade 2015, da CNBB


Brasília – O presidente nacional da OAB, Marcus Vinicius Furtado Coêlho, participou nesta quarta-feira (18) da abertura da Campanha da Fraternidade 2015, promovida pela CNBB. Com o tema “Fraternidade: Igreja e Sociedade”, a campanha tem como objetivo aprofundar o diálogo e a colaboração como serviço ao povo brasileiro. O lema deste ano é “Eu vim para servir”.

Ao lado do secretário-geral da CNBB, Dom Leonardo Steiner, Marcus Vinicius exaltou a parceria entre as duas instituições e clamou a participação dos brasileiros na Campanha da Fraternidade, que tem como um dos objetivos a coleta de assinaturas para o projeto de Reforma Política Democrática. “Destaco a importância da relação próxima que a OAB nutre com a CNBB em busca de uma sociedade justa solidária e fraterna”, afirmou Marcus Vinicius.

Leia mais:
“A luta por dignidade, justiça e igualdade nos une. Quando se fala em igualdade, busca-se não apenas o tratamento formalmente igualitário, mas também a busca por uma igualdade concreta e material, que se visualiza na proteção dos mais necessitados. A igualdade cultural e social deve ser também política, por isso nossa luta por uma reforma política urgente, com sistema pautado em maior igualdade em substituição a um sistema evidentemente desigual, com práticas abusivas de compra de votos e de uso excessivo de recursos financeiros nas campanhas”, pontuou o presidente da OAB.

O secretário-geral da CNBB afirmou que os “cristãos são pessoas de fermento na sociedade”. “Temos que ser pessoas que levam valores à sociedade, com valor especial à política. Dentro da Campanha da Fraternidade deste ano temos também que nos engajar na reforma política e democrática, por isso vamos nos empenhar na coleta de assinaturas. Que a Campanha da Fraternidade nos ajude a ser uma igreja viva e irmã”, afirmou.

Secretária-executiva do Conselho Nacional de Igrejas Cristãs, a pastora Romi Bencke explicou que o tema deste ano da Campanha da Fraternidade mostra a necessidade de debate sobre valores éticos, como o acúmulo de riquezas e a desigualdade social em todo o mundo. “A Campanha da Fraternidade deste ano nos leva para a ética global de responsabilidade, fortalecendo os direitos dos povos e a solidariedade internacional. Liberdade, direito, razão e dignidade humana fazem parte do nosso papel missionário”, disse.

Patrus Ananias, ministro do Desenvolvimento Agrário, afirmou que há um compromisso democrático e ético de emancipação dos pobre, “para que todos assumam plenamente sua vida, desde a esfera regional até a comunidade internacional”. “Queremos pessoas protagonistas de suas vidas, com uma nova compreensão política. O desafio é tornar as pessoas sujeitos ativos do processo político. É dever do Estado trabalhar para que as pessoas sejam melhores, uma sociedade democrática com pessoas democráticas”, afirmou em seu discurso.

PAPA FRANCISCO

A cerimônia de abertura da Campanha da Fraternidade 2015 foi marcada pela leitura de mensagem do Papa Francisco aos fieis brasileiros. Nela, Francisco afirma que a “Igreja não pode ser indiferente às necessidades daqueles que estão seu redor”. Também afirmou que a Campanha, durante a Quaresma que se inicia nesta quarta-feira (18), quer ajudar a aprofundar o diálogo entre a Igreja e a sociedade, como proposto pelo Concílio Ecumênico Vaticano II, que se encerrou há 50 anos.

Leia a mensagem do Papa Francisco sobre a Campanha da Fraternidade 2015 neste link.

Fonte: OAB-Conselho Federal

Nenhum comentário:

Postar um comentário