Advisibrasil

segunda-feira, 19 de janeiro de 2015

Promotor argentino que denunciou Cristina é encontrado morto


"Seu corpo foi descoberto horas antes de seu comparecimento ao Congresso para detalhar a denúncia contra o governo envolvendo o caso Amia; circunstâncias da morte não estão esclarecidas".

O promotor argentino Alberto Nisman, que denunciou a presidente, Cristina Kirchner, por suposto encobrimento do Irã em um atentado contra uma associação judia, foi encontrado morto em sua casa de Buenos Aires em circunstâncias ainda não esclarecidas, informaram fontes judiciais.

Cristina Kirchner é denunciada por encobrir ação de iranianos no caso Amia. Nisman, promotor da ação pelo atentado contra a Associação Mutual Israelita Argentina (Amia), foi achado morto em seu apartamento do bairro portenho de Puerto Madero, confirmaram fontes judiciais. Segundo a imprensa local, o corpo foi achado no banheiro com um tiro na cabeça.

Nisman foi encontrado morte em sua casa, em Buenos Aires; causas ainda são desconhecidas. 

O corpo de Nisman foi descoberto apenas algumas horas antes de seu comparecimento previsto para esta segunda-feira, 19, ao Congresso para detalhar a denúncia que atinge Cristina e vários de seus colaboradores pelo suposto encobrimento dos supostos autores do atentado contra a Amia que causou 85 mortos e mais de 300 feridos em 1994.

A deputada opositora Patricia Bullrich, uma das primeiras a ir à casa de Nisman após saber de sua morte, explicou para a imprensa que o promotor tinha revelado a ela que tinha sido ameaçado e que tinha transmitido sua preocupação à Procuradoria-Geral para que reforçassem sua segurança.

"Um promotor morto antes de fazer um relatório ao Congresso em uma causa onde há terrorismo internacional me parece de uma enorme gravidade", acrescentou Bullrich.

Alberto Nisman tinha se tornado o centro da atenção política nos últimos dias após denunciar a presidente e vários de seus colaboradores, entre eles o chanceler, Héctor Timerman, pelos delitos de "encobrimento agravado, descumprimento de dever de funcionário público e estorvo do ato funcional".

A denúncia, baseada em escutas telefônicas, atinge também o deputado governista Andrés Larroque, os militantes Luis D'Elia e Fernando Esteche, pessoal da secretaria de Inteligência da presidência argentina, o ex-promotor federal e ex-juiz de instrução Héctor Yrimia e o referente comunitário iraniano Jorge "Yussuf" Khalil.

Nisman contava com gravações de conversas telefônicas entre as autoridades iranianas e agentes de inteligência e mediadores argentinos que, segundo o fiscal, demonstrariam que a Argentina assinou um acordo com o Irã que implicaria no encobrimento dos suspeitos do atentado contra a Amia em troca de impulsionar o comércio bilateral e a troca de petróleo por grãos, em um contexto de crise energética no país sul-americano.

A oposição esperava conhecer hoje novos detalhes durante o pronunciamento de Nisman no Congresso, enquanto o governo apressou-se a fechar fileiras em defesa de Cristina Kirchner, acusando o promotor de mentir e de se deixar arrastar por conflitos internos na Secretaria de Inteligência.

O atentado contra a Amia causou 85 mortos e 300 feridos no dia 18 de julho de 1994, dois anos depois que uma bomba explodiu em frente à Embaixada de Israel em Buenos Aires causando 29 mortes.

A investigação e a comunidade judaica atribuem ao Irã e à organização xiita libanesa Hezbollah o planejamento e a execução de ambos os atentados

Fonte: Estadão

Nenhum comentário:

Postar um comentário